3.2 - Livro de Jó

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

1.1 – Livro de Jó

O livro de Jó trata de um dos maiores mistérios – o sofrimento. A pergunta que ressoa é por que Deus permite que os justos sofram? Jó é descrito como um homem perfeito e é despojado das riquezas, dos filhos e da saúde, suportando tudo com paciência.

Considerações gerais

Jó é o primeiro livro da terceira divisão do AT chamada pelo cânon cristão de Livros Poéticos. O livro de Jó foi assim chamado em homenagem ao seu herói, e não devido ao seu autor. A etimologia do nome Jó (hb. “Iyyob”) é um tanto incerta. A palavra poderia significar “estar em hostilidade”, enquanto a palavra árabe equivalente (“Awwagun”) sugere “arrependimento”, “recuo” ou “reparação”. William A. Ellisen deduz de escritos egípcios que o significado seja “Onde está o Pai” (“aba”). De acordo com a opinião de Stanley A. Ellisen em razão da história de Jó estar relacionada com a parte norte da Arábia é plausível presumir o significado árabe de “reparação” ou “arrependimento”.

Quanto a sua autoria

O autor do livro de Jó é anônimo, porém vários nomes são cogitados como possíveis autores: Jó, Eliú (Jó 32:16), Moisés, Salomão ou Jeremias.

O Talmude Judaico atribuiu a autoria deste livro a Moises, supondo que ele soube da história quando esteve em Mídia e redigiu ou compôs o livro sob inspiração divina. Com base na composição e no conteúdo de Eclesiastes, Salomão também é considerado o autor pelos rabinos e por vários outros eruditos.

A característica patriarcal e o fato de não mencionar a Lei Mosaico ou as intervenções divinas no êxodo são um argumento em favor de alguém que tenha vivido em tempos patriarcais.

Objetivos do Livro de Jó

· Mostrar como Deus geralmente usa a adversidade, bem como a prosperidade, para amadurecer o seu povo.

· Mostrar a grande soberania de Deus sobre Satanás, e como Deus pode usar os piores ataques do diabo para o cumprimento dos seus objetivos e o bem do seu povo.

· Mostrar a dinâmica da pessoa de Deus quando Ele se ocupa com o seu povo, não com regras mecânicas e legalistas, com infinita misericórdia e amor.

· Demonstrar a todo o universo a grande capacidade que Deus tem de reproduzir o seu amor nas pessoas a ponto de as suas reações serem a adoração, mesmo quando não entendem.